Go to Top
Posts Recentes
glicopan pet id
cama-baú-id
Pill Food - id
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
zasłonka_szafa_garderoba_kokopelia_-32

Cama-baú na decoração

Para aumentar o espaço em casa, uma boa ideia é aproveitar o box da cama com uma cama-baú. Pensando em guardar os meus livros, resolvi investir em uma.

cama-baú-2

Minha cama-baú, repleta de livros!

Tenho muitos livros em casa – uns meus, outros do meu marido. De vez em quando separo aqueles que não vou ler de novo e vendo no sebo ou doo para a biblioteca. Mesmo assim, são muitos – mas muitos mesmo – que eu não quero me desfazer de jeito nenhum. Eu adoraria ter uma biblioteca em casa, do jeito que eu mostrei nesse post. Enquanto isso não acontece, precisei encontrar um jeito de guardar todos os meus livros de maneira que ficassem fáceis de achar quando preciso. A cama-baú foi a solução ideal.

Ela tem um espaço interno considerável. Tem muitos livros nela – mais do que dá para perceber pela foto. Dá para guardar cobertas, malas e todas essas coisas que ocupam muito espaço.

Como nada é perfeito, a cama-baú pode juntar um pouco de umidade. Para quem vive em lugares muito úmidos, vai ser mofo na certa. Como aqui em Curitiba a umidade é média, de vez em quando deixo ela aberta, e até agora nada de mofo.

Não acho muito bom usar cama-baú para guardar coisas que a gente usa direto. Ela é difícil para abrir, pesada; se for usar todo dia é cansativo.

Quando for comprar, dê uma olhada no sistema de abertura que ela possui. Ela pode ser aberta por molas ou por pistão (como é a minha). O pistão é mais caro, mas mais resistente e fácil de abrir.

Outro detalhe: não é nada prático usar aquela “saia para box” em cama-baú. Por isso, é melhor escolher uma que já tenha uma aparência legal. Comprei uma com couro sintético em volta e achei bem bonitinha. Também tem algumas com tecidos lindos, que podem ficar à mostra sem problemas.

Deixe seu comentário!

Organizando a vida com o Evernote

evernote

Oi gente! Hoje quero compartilhar com vocês uma ferramenta de organização que estou usando há algum tempo e simplesmente amando: o Evernote.

O que é Evernote?

O Evernote é, basicamente, uma ferramenta virtual para auxiliar na organização. É excelente para quem se sente meio perdido nas tarefas do dia a dia, ou mesmo para quem quer apenas se organizar melhor, melhorando a produtividade.

No Evernote, a gente pode concentrar tudo aquilo que fez, incluindo comprovantes e documentos diversos – para consultar depois, como um arquivo –, ou escrever o que precisa fazer no futuro – como uma lista de tarefas.

Começando a usar o Evernote

Para começar com essa ferramenta, é bem simples. Basta ir ao site do Evernote, cadastrar-se gratuitamente e baixar o programa no seu computador. Se você não puder baixar o programa, não tem problema: é possível usar online. Com a mesma conta você acessa no computador, tablet e celular.

Depois disso, é só usar a sua imaginação e adaptá-lo às suas necessidades.

Como funciona?

O Evernote permite que você crie notas. Para organizá-las, você pode ir criando cadernos e, além dos cadernos, etiquetas.

Vou dar um exemplo de como eu faço para ficar mais claro: um dos meus cadernos se chama “Tarefas”. Nele, coloco notas de coisas que preciso fazer, mas que não são urgentes. Então, tenho uma etiqueta que se chama “Casa”, outra “Trabalho” etc. Assim, se estou no trabalho e quero me lembrar das tarefas que anotei, é só procurar no caderno “Tarefas” com a etiqueta “Trabalho”.

Eu também uso o Evernote para anotar algumas ideias – se tenho alguma ideia de post, coloco no caderno “Blog” com a etiqueta “Ideias”, e assim vai. Podemos usá-lo para fazer lista de compras, de coisas a fazer em casa; enfim, as opções são inúmeras.

É bom lembrar que ele também serve de arquivo. Logo, quando eu tenho um protocolo de atendimento, por exemplo, para não escrever num papelzinho que sempre acaba indo para o lixo, escrevo uma nota com o número, uso um título como “Protocolo de cancelamento de X” e coloco no caderno “Arquivo”.

Para dar mais um exemplo, vou falar de roupas. Eu comentei nesse post que é muito bom ter uma planilha catalogando todas as roupas que a gente tem. Eu fiz isso e, para ter essa planilha sempre à mão, salvei uma cópia dela no Evernote, assim posso ter acesso a ela sempre que precisar. O problema é que não dá para manipular os dados no próprio Evernote, já que é uma planilha em Excel; é só para arquivo mesmo. Se eu mudar alguma coisa, preciso carregar uma nova planilha, atualizada.

Vejam esse exemplo bem simples que eu fiz como modelo. Criei um caderno chamado “Exemplo” e uma etiqueta com mesmo nome. Vinculada a eles, criei uma nota. É assim que fica:

Tela Evernote

Não vou me aprofundar demais nos exemplos de uso, pois acho que já deu para ter uma boa ideia. Além do mais, o Evernote é bem autoexplicativo. Meu objetivo com esse post foi dar apenas uma ideia geral do que ele é. Existem muitos e muitos usos que você pode dar à ferramenta. Se você quiser informação mais específica, pode pesquisar no site Vida Organizada, que é um excelente blog de organização e fala, dentre outras coisas, bastante de Evernote.

Espero que as informações tenham sido claras, e ajudem a quem está procurando um método para se organizar melhor. Beijos!

Deixe seu comentário!

Organize suas roupas – parte II

Esse post é a continuação do organize suas roupas! E hoje vou continuar contando sobre o processo de organização das minhas roupas.

Como já falei no primeiro post, segui três etapas para minha organização:

Sem título

Falei sobre separar no primeiro post. Agora vou falar sobre catalogar.

2º passo: catalogar

Catalogar é bem simples: é só anotar tudo o que a gente tem. Depois que eu separei tudo o que era para doação, comecei a contar o que tinha sobrado.

Eu resisti bastante a essa etapa. Afinal, quem tem vontade de ficar contando cada peça de roupa que tem? Mas eu fiz, e acabou sendo bem legal.

Fiz da maneira mais simples possível: contei itens semelhantes colocando um palitinho do lado do item, no final contei o que havia sobrado. Essa é uma foto de parte da minha lista:

Organizaçao

Foi bem fácil fazer esse catálogo, e ele me ajudou a ver exatamente o que eu tinha. Algumas peças eu tinha demais (por exemplo, camisas). Outras, tinha de menos (exemplo, vestidos). Claro que tem sempre aquela coisa que a gente gosta mais de usar, então compra mais. Mas contar as roupas que a gente tem dá uma ideia bem legal do que está faltando no nosso guarda-roupa. Justamente por não fazermos isso que, quando vamos sair, ficamos em pé em frente ao guarda-roupa cheio dizendo “não tenho roupa nenhuma!” (quem nunca??).

Depois de contar tudo, guardei a roupa de volta no guarda-roupa, toda bonitinha, agora com muito mais espaço do que antes.

Em seguida, fui para a etapa da análise.

3º passo: analisar

Gente, essa foi a que deu mais trabalho. Não é o tipo de trabalho físico das duas primeiras etapas, é um trabalho de pensar.

Na análise, eu resolvi criar uma planilha no excel com o que seria um “guarda-roupa ideal”. No “mundo ideal”, quantas calças de alfaiataria eu precisava ter? E camisas? E vestidos? E meias? Etc etc. Tive que pensar muuuito para terminar a planilha, mas, quando terminei, a sensação que eu tive foi maravilhosa.

Daí foi só comparar a planilha com o que foi catalogado, para ver o que é que faltou. Fácil, né?

Vejam só um pedacinho da planilha que eu fiz, essa é a sessão “calças”:

planilha-nova

Ah, mais um detalhe: na planilha também tentei incluir a frequência com que eu deveria trocar aquela peça (anualmente, a cada seis meses etc.). Assim já sei o que está ficando velho, o que vou precisar comprar no mês que vem e por aí vai.

Sei que muita gente vai dizer: “credo, Silvia, que exagero, pra que tudo isso?”, mas eu não acho que exagerei. Digo com certeza uma coisa: se eu tivesse feito tudo isso antes, teria um guarda-roupas bem mais completo e o conjunto geral das minhas roupas refletiria melhor o que eu preciso.

Claro que tem um monte de coisas para considerar antes de fazer nossa tabela “guarda-roupa ideal”. Se a gente precisa caminhar muito durante o dia, se trabalha num lugar mais social, que estilo a gente prefere. E também não é porque não está na lista que vamos deixar de comprar aquela roupa maravilhosa que a gente acabou de ver. Afinal, roupa é uma coisa maravilhosa de comprar, alegra nosso dia, não é mesmo? A lista é só para dar uma ideia.

Então agora é só encontrar motivação para começar o seu processo de organização de roupas, que tal?

Deixe seu comentário!

Organize suas roupas

Oi gente! Uma das minhas resoluções de ano novo era ser uma pessoa mais organizada. Como precisava começar por algum lugar, resolvi organizar o meu guarda-roupa. Mas a organização das minhas roupas está sendo um processo tão legal que resolvi fazer alguns posts aqui no blog pra falar um pouquinho de organização, ou das etapas que decidi percorrer para organizar de vez as minhas roupas.

Se você está pensando em organizar suas roupas, uma ideia é seguir as seguintes etapas: separar, catalogar e analisar. Foi o que eu fiz.

Sem título

1º passo: separar

Imagem: Filme Delírios de Consumo de Becky Bloom

Imagem: Filme Delírios de Consumo de Becky Bloom

Separar a roupa que fica, que a gente usa mesmo, da que vai embora, é o primeiro passo para a organização das roupas.

Um belo dia, pedi ajuda para minha irmã (obrigada Cláudia!) e lá fomos nós: tirei tudo de dentro do guarda-roupas, das araras, coloquei em cima da cama e comecei a separar: guardar, doar, guardar, doar… Gente, foi um monte de roupa para a doação! Deu quase três malas grandes. Percebi que tinha muita roupa velha, muita que nem sabia que tinha, ou roupa nova, mas que não usava, não era meu estilo, não ficava bem. Deu um pouco de dor no coração, mas separei tudo!

Na hora de decidir o que doar, a gente fica com muita dúvida. Bom, eu segui basicamente dois critérios, que você pode usar também:

A roupa é de verão/inverno e passei uma estação inteira sem usar? Doação!

A roupa está desgastada/feia/velha demais? Doação!

Pode ver: geralmente a roupa que a gente mais precisa doar (e não quer) é ou aquela novinha que não usa nunca, ou aquela que está horrível de velha mas a gente adora. Mas, pra organização dar certo, tem que desapegar…

Não quero enganar ninguém: demorei um dia inteiro fazendo essa separação.

Mas foi ótimo! Como é bom ver o que a gente tem, e poder doar aquilo que não estamos mais usando. Sempre tem alguém que vai gostar daquela roupa que não caiu bem na gente, não é mesmo?

Bem, como eu detesto posts gigantescos, vou parar por aqui. E, se você ainda não desanimou e quer mesmo organizar suas roupas – você é uma guerreira! – logo logo eu posto a continuação.

Beijos!

4 Comentários, deixe o seu!